a Quinta.

Hoje falo-vos do sítio escolhido para o nosso dia.

Agora, olhando para trás e reflectindo sobre todo o processo, acho que o ponto de decisão sobre o sítio ditou todas as escolhas que fizemos daí para a frente. O mood, as cores e o estilo foram criados em torno do lugar que escolhemos para o nosso dia. Para nós foi um processo relativamente fácil, apesar de termos passado horas e horas em mil sites a ver fotografias e a ler recomendações.

Enviámos muitos e-mails, recebemos muitos orçamentos e entrámos em desespero. Sabemos que há muito trabalho por detrás da organização, produção e realização de um casamento, mas há sítios que cobram uma autêntica fortuna e, face aquilo que oferecem, era um absurdo.

Fomos visitar apenas dois lugares. E o primeiro que vimos, foi literalmente amor à primeira vista – a Quinta da Conceição.

Na hora de escolher sabíamos que o lugar dos nossos sonhos seria um espaço onde nós, família e amigos mais próximos pudéssemos pernoitar, que não fosse demasiado longe de Lisboa, que tivesse piscina, que tivesse espaço para um jantar ao ar livre e que fugisse das “badaladas e pré-feitas” quintas de casamento – à partida, seria quase impossível de encontrar. No entanto, descobrimos A Quinta da Conceição – um hotel em Azeitão, no meio da floresta. É um palacete que pertencia a uma condessa holandesa e que foi todo recuperado e tornado num pequeno paraíso. E sendo em Azeitão, era relativamente perto para a maioria dos convidados.

Tudo a favor. E a adicionar, o dono do espaço é super simpático e acessível, tem dois cães amorosos e não nos impôs quaisquer limites.

A casa principal onde ficam os quartos e sala de jantar é um verdadeiro sonho. Todos os quartos são diferentes e únicos. Têm uma decoração eclética, com peças modernas vs peças dignas de antiquário. Queríamos um espaço com personalidade e a quinta não podia ser mais a nossa cara. O espaço transmite um sentimento de verdade e honestidade que encaixou no mood do nosso dia que nem uma luva. O hotel dá dormida a 28 pessoas no total, pois para além dos quartos, ao lado da casa principal há um novo espaço, remodelado há poucos meses, com quatro apartamentos. O pequeno-almoço que oferecem é óptimo, com sumo de laranja e ovos mexidos feitos na hora que nos sentamos, a juntar aos croissants franceses e queijos da região.

Mas um dos pontos que nos fez apaixonar pela Quinta foi o sítio que escolhemos para a nossa cerimónia. No fim do vale, existem umas pequenas arcadas, uma espécie de aqueduto de águas livres que faziam o jogo de luz e sombra mais bonito de sempre. Com paredes recheadas de verde e um jardim suspenso, era o cenário perfeito para o momento mais importante do dia. O espaço por si só já era tão forte que a decoração que fizemos foi a mais simples possível – adicionamos um voale em mousseline para contrastar com o verde e dar uma diferente textura ao backdrop. Foi tudo o que idealizámos (mas falaremos da decoração mais em detalhe num próximo post).

Para além disso, a zona que escolhemos para o cocktail (as traseiras da casa) ia ser palco de um pôr-do-sol incrível, com vista para todo o jardim e piscina. Outro ponto que nos fez dizer que sim quase imediatamente, foi o grande páteo ao lado da casa principal que parecia que tinha sido construído com o propósito de jantares ao ar livre, a meia luz, para horas e horas de conversa. Era tudo o que queríamos! E ainda por cima, com o salão de festa logo ali ao lado.

O nosso casamento foi pequenino (não chegámos aos cem convidados), mas a Quinta da Conceição tem também uma tenda que torna casamentos de 300 a 400 pessoas possível. É um lugar único, escondido no meio do verde, com uma história bem singular. Se estiverem a precisar de escapar ao frenesim da cidade, a Quinta da Conceição é o hotel que têm que colocar na vossa lista! Nós mal podemos esperar por voltar e reviver o dia mais feliz das nossas vidas.

Todas as fotografias que hoje partilhamos são do Doncel y Alcoba, os nossos fotógrafos pelos quais nos apaixonámos perdidamente.

Fiquem por aí.
E voltem as vezes que quiserem!

com amor,
Joana